segunda-feira, 16 de maio de 2011

Amor e Crise, o dilema do Cinco de Copas


Por que partes de mim, agora que meu corpo tem o desenho de tua boca, 
umedecida pelo frio das madrugadas?
No ímpeto de obssessiva sexualidade, descobri teu rosto e tua fragrância,
então como acordar e presenciar a vida sem ti?
Em minha solidão, não caberá esperança e ternura,
nossas almas entrelaçadas ainda não se redimiram
ao prelúdio da eternidade.
Se eu não te amar, fica apenas silêncio
no leito amargo do adeus...

2 comentários:

Julio Simões disse...

Gostei muito do seu site, tanto na combinação de rosas quanto, e principalmente, do conteúdo. Deixei esse comentário aqui porque não soube entrar colocá-lo em outro lugar.
- Parabéns !!!
- Paz e luz pra você.

Luz disse...

Gratidão, Julio, pelas gentis palavras. Paz e Bem!