sexta-feira, 20 de maio de 2011

Idílio amoroso - Seis de Copas



Quero ir buscar em meu último pensamento a lembrança de tua voz doce. Preciso que me digas onde nós nos abandonamos. Tenho em mim essa mania de ser triste por nada, então ver-te na distância de meu coração faz-me inevitavelmente cansada, como se eu fosse uma canção para não dormir.

Não tenho a madureza da vida, nem a fatalidade dos batons vermelhos, apenas aprendi a te amar sem malícia. Eu por ti já não sofro, nem me debato a suplicar teu regresso. Apenas fito em silêncio o horizonte e me conformo.

Ah, mas quando espero ficar quieta em meu lamento, vem esse inexplicável desejo de sentir teu beijo, através de uma sensação morna e latejante que só posso chamar de saudade.

Somos duas almas tristes que se encontraram no porto da despedida e nem tiveram tempo de morrer. Que saudade de nós dois...!

Nenhum comentário: